Viajar com bebê para Turquia, é possível?

Olá pessoal! Estou tentando liberar os posts que tenho rascunhados desde o ano passado, mas não está fácil. Vida de mãe de um já era busy, agora com dois bebês e ainda “dona de casa”, tem sido bem difícil achar tempo e cérebro para escrever! rsrs

Acho legal, além de falar da Irlanda no blog, relatar, sempre que possível, sobre as viagens que estamos fazendo, já que normalmente quem está morando na Europa, aproveita para dar uma viajada por aí.

Mas, viajar com bebê… Isso dá certo?

Talvez você esteja se perguntando isso. Então antes de falar especificamente da Turquia, quero falar sobre as experiências que tenho tido nas viagens com meu filho, que até então era 1 apenas. Família crescendo, agora são 2! rsrs

Na minha opinião, viajar com filho é mais trabalhoso, mas ainda assim, para mim é muito bom, já que não me imagino sem viajar. O que temos que ter atenção é no respeito com a rotina e os tempos dos bebês. Já comentei algo do tipo no meu post sobre a minha primeira viagem com bebê (se você não leu, clique aqui). No meu caso, viajo com meu filho desde os 5 meses (agora ele está com 1 ano e meio). Então, estou falando de bebê mesmo, que ainda precisa de soneca no meio do dia, mamar, enfim, tem uma rotina que precisa ser incorporada à viagem escolhida.

É claro que a viagem será diferente ou até MUITO diferente comparado quando você não tem filhos. Por exemplo, as noites nas baladas, acho que dá pra dizer que não cabe, a não ser que você leve uma pessoa que cuide do seu bebê. Também, muitos restaurantes que você queira visitar, talvez não aceitem crianças ou não terão espaço físico para receber o carrinho. Eu já passei por vários restaurantes que tive que sair com o rabinho entre as pernas. rsrs Paciência! Bora buscar uma opção que “caiba” minha família.

Outra coisa que pode ser desgastante é ficar o dia todo na rua, das 7h da manhã até às 19h. Quando não tem jeito e preciso passar o dia fora, tento trazer alguma atividade interessante para o meu filho no meio do dia, como um parque para ele correr, um playground para brincar, ou uma praia por exemplo e assim ele extravasa e conseguimos seguir em frente. Também dou uma pausa em algum café para ele dormir, descansar, dependendo da ocasião.

Em resumo, como o bebê não sabe filtrar o stress e cansaço, ele vai ficar irritado e vocês ficarão estressados se ele não puder cumprir a rotina dele e isso vai deixando a viagem cansativa, principalmente se for uma viagem mais longa. Por isso, tente ser mais “leve” nos roteiros, deixe uns espaços no seu dia para curtir o seu filho e para que ele também curta a viagem e descanse. Com certeza, a viagem será diferente mas muito prazeirosa quando todos curtem. Não pense só nas suas vontades, pense no baby também ou você vai se estressar.

Dica!

Uma dica, que hoje acho valiosa, depois de ter vivido na pele, é evitar passar o dia turistando seguido de um voo noturno. O bebê estará muito cansado. Aconteceu isso comigo na Alemanha. Fizemos check out no hotel de manhã, 9h mais ou menos e ficamos passeando até a hora do voo, que era em torno das 22h. Quando chegamos no aeroporto, o Felipe estava extremamente cansado e chato!! Sabemos que bebê cansado é sinônimo de chatice. Passamos um nervoso danado e aprendemos. Agora, só voamos a noite, se for depois de um dia de descanso.

Portanto, viajar com bebê é gostoso também, mas temos que mudar alguns hábitos e ir aprendendo com cada viagem. Relaxa e curta sua família!

Escolhendo o Roteiro

Viajar pela Turquia, um país grande e cheio de atrativos, requer um planejamento. Como eu estava na correria por conta do bebê, decidi por comprar um pacote que incluisse tudo o que precisávamos na viagem, ou seja, voos internos, visita às cidades que eu queria conhecer, hoteis e passeios. Desta forma, o meu cérebro não precisaria nem funcionar, estava tudo acertado e o risco de se atrapalhar com um bebê junto seria bem menor.

Assim fizemos, escolhemos uma empresa turca com boa reputação no TripAdvisor e também registrada na associação de empresas de turismo da Turquia para evitar golpe. Comparamos preços e pacotes com empresas irlandesas e brasileiras e o custo benefício da empresa turca era o melhor. Caso você esteja procurando por um roteiro, se quiser, dá uma olhadinha no site da empresa, tem muitas opções (não é propaganda). Escolhemos um pacote de 8 dias com trechos internos de avião já pensando no bebê, pois entendemos que seria pesado ficar horas e horas num ônibus. A passagem de Dublin para a Turquia já tínhamos, pois quando compramos a passagem para o Brasil a Turkish Airlines tinha o melhor preço e já parava em Istambul. Oportunidade para conhecer o país.

O voo

Bercinho – Bassinet

Primeiramente, se você tem um bebê pequeno, você pode (geralmente) requerer um bercinho para acomodar o seu bebê (sem ou com algum custo), o que ajuda muito no seu conforto e no dele também. É muito cansativo ficar com um bebê 100% do tempo no colo num voo longo. Nem sempre o berço estará disponível, ou porque a aeronave é pequena ou porque todos os berços já estão ocupados. Portanto, assim que comprar sua passagem aérea, verifique com a companhia se há bercinhos disponíveis e se há custo para isso. No voo da Turkish, em todos os 4 voos (Dublin – Istambul / Istambul – São Paulo / São Paulo – Istambul / Istambul – Dublin) eu consegui o bercinho sem custo e foi bem confortável. O espaço da aeronave era ótimo. Porém, notei que algumas pessoas viajaram com o bebê no colo e que todos os bercinhos estavam ocupados. Por isso, é realmente importante reservar o bercinho o mais rápido que puder para garantir o seu.

Alimentação do bebê durante o voo

Se seu bebê já come ou se você dá mamadeira, leve tudo o que precisa com você a bordo. Nem sempre há como esquentar água ou comida na aeronave, se prepare para isso também. Só não leve comida fresca, fruta ou legumes, pois ficará retido no embarque, o ideal é comidinhas prontas mesmo.

A Turkish e outras companhias oferecem comidinhas/papinhas para os bebês. Mas normalmente você precisa solicitar antecipadamente. Fique atento.

Entretenimento durante o voo

Se prepare para entreter seu filho no voo ou será um festival de choro. Se para nós, um voo longo é cansativo, imagine para um bebê. Então, se seu bebê é pequeno e ainda não brinca de colorir ou qualquer coisa que esteja disponível no voo, leve com você o que puder. O meu filho adorava, aliás, ainda adora, Mundo Bita. Então a salvação foi essa. Quando ele estressava demais e mamar não resolvia, usávamos de vídeos do Mundo Bita para tranquilizá-lo. Algumas mãe podem até me criticar por isso, mas usei sim de eletrônicos. rsrs

Dica!

Tanto no momento de decolagem quanto no pouso, dê de mamar para seu bebê ou dê a chupeta (se você é adepto) para evitar dor de ouvido. O meu filho já viajou bastante e graças a Deus, nunca teve dores. Mas já vi bebês chorarem demais por conta disso.

Hospedagem

No pacote que comprei, tinham algumas opções de hospedagem e fui atrás das que possuiam melhor estrutura para receber bebê e suas tralhas. rsrs

Por isso, é muito importante, que antes de decidir sua hospedagem, verifique se há elevador, disponibilidade de berço, algum espaço para esquentar mamadeira, etc. Enfim, pense em tudo antes de fechar seu hotel.

No nosso caso, nem todos os hoteis foram as melhores escolhas. No hotal em Istambul, mal cabia o bercinho no quarto e, na realidade, o hotel não tinha berço naquele momento e “saiu pedindo emprestado”. No fim, veio um bercinho meio quebrado que deu pra usar, pelo menos, mas aí não cabiam as malas. Ficou bem tumultuado. Enfim, fiquem espertos com o tamanho do quarto quando forem viajar com bebês. Aprendendo com os erros.

Passeios

Tivemos a chance de conhecer muitas coisas nas cidades pelas quais passamos, já que tudo estava incluso no pacote, inclusive o passeio de balão. Mas vamos lá a mais detalhes. Não vou falar sobre tudo o que fizemos, pois foram coisas demais. Falarei sobre o que é mais relevante para viagem em família com bebê.

Mercado de Especiarias

Infelizmente não conseguimos visitar O Grande Bazar, pois coincidentemente o dia que estávamos em Istambul mais “livres” era 3a feira, único dia que O Grande Bazar não abre. Mas conhecemos o Mercado de Especiarias que também é bem bonito. Sugiro que sempre levem carrinho de bebê no carro/ônibus/van que estiverem passeando, mas não esqueçam o baby carrier ou sling que em cidades antigas e turísticas, acaba sendo uma mão na roda, pois muitas vezes os espaços são apertados, cheio de pedras e cheio de gente. Usei o baby carrier praticamente em todos os passeios, já começando pelo mercado. Neste caso, ainda seria possível o carrinho, mas ficaria meio tumultuado. Prefira “amarrá-lo” a você. rsrs

Aproveite aqui para comprar frutas secas e castanhas para levar com você durante os passeios. O Felipe ainda não comia, mas para quem estiver passeando com bebês maiores ou crianças, é uma opção saudável. 🙂

Mercado de Especiarias

A Mesquita Azul

Dentro da Mesquita maravilhosaaaa

O ícone de Istambul é imperdível! Lembrando que por ser um local religioso devemos respeitar às exigências de vestimentas específicas. No caso, mulheres, devem usar véu e uma saia longa. Caso você não esteja vestida adequadamente, no local eles emprestam uma roupa, por isso não se preocupe.

Outro ponto a considerar é que carrinhos de bebês também não são permitidos nas áreas internas. No caso, eu tinha ido com o carrinho e tive que deixá-lo do lado de fora, próximo à porta. Eu não tinha levado o baby carrier, então tive que carregar o Felipe nos braços. Fiquem atentos, levem o baby carrier sempre! Por isso, hoje, eu peco por excesso. Sempre levo tudo! 🙂

Cruzeiro no Rio Bosphorus

Maridão e Filhote no Bosphorus Cruise

A Turquia é um país diferente. Ela está na Europa e na Ásia ao mesmo tempo. Istambul está dividida pelo Rio Bosphorus, e de um lado estamos na Europa Oriental e do outro na Ásia!!! Sim, conheci a Ásia! Então falando das outras regiões que visitamos, todas elas estão do lado asiático.

É padrão as pessoas fazerem este cruzeiro para ver os dois lados de Istambul, mas posso dizer que eu passaria este passeio. Mas, já que todos fazem, aqui o baby carrier não pode faltar de jeito nenhum. Além de não ser seguro ficar segurando um bebê dentro de um barco, isso seria super cansativo. Portanto, carrinho guardado e carrier preprado!

Voando de balão

O passeio de balão na Capadócia teve que ser em duas partes, pois nem bebês nem crianças mais baixas que o cesto do balão não são aceitos, por questões de segurança. Então, tive que fazer o passeio num dia e o Daniel no outro. O passeio de balão nunca é certo, depende de tempo, vento, etc, portanto, corríamos o risco de um de nós ou mesmo os dois não conseguirem voar, já que tínhamos somente 2 dias lá. No fim, por muita sorte, os dois dias amanheceram perfeitos e nós dois conseguimos voar. Enquanto um voava, o outro ficava no hotel com o bebê admirando pela janela. Olha a foto da janela do hotel!!! Passeio imperdível, tivemos que viver este momento separado, mas valeu muito a pena! Ainda quero voltar!

Vista da janela do hotel em Uchizar – 1o dia
Vista da janela do hotel em Uchizar – 2o dia
Vista do Balão

Visitando Cavernas e Cidades Subterrâneas

Na região da Capadócia, há diversas cidades muito antigas, algumas subterrâneas, outras dentro de cavernas, algumas com 20 metros de profundidade. Pudemos visitar algumas, mas não entramos em todas por conta do bebê. Em alguns pontos não tinha como passar, pois era extremamente baixo e estreito o que, na minha opinião, era arriscado. Então, visitei algumas e deixei outras para observar somente de fora. Mas não fiquei desapontada, já fui preparada para deixar alguns passeios de lado. Não é o fim do mundo. 🙂

Felipe com papai nas cavernas na Capadócia
Felipe com mamãe nas cavernas da Capadócia

 

Cidades do Império Romano

Além da Turquia ter paisagens lindas, ela fez parte do Império Romano e abriga muitas cidades do período, quero dizer, há muitas ruínas e algumas muito bem conservadas.

Importante dizer aqui que estes passeios pelas ruínas são sempre ao “ar livre” e a Turquia na primavera ou verão é extremamente quente. Não fui muito preparada para isso, não imaginava. Então em alguns passeios, o guia me emprestou uma sombrinha para eu poder proteger o Felipe do sol escaldante. Considere mais um item nas “tralhas” do bebê.

Usei em alguns casos, carrinho de bebê, mas na grande maioria, só era possível no baby carrier e teve uma das cidades que esqueci a porcaria do baby carrier e foi na raça.

É incrível as paisagens, há cidades inteiras sendo restauradas. É lindo! Vale muito a pena! Não perca se estiver por lá.

Anfiteatro com o marzão no fundo ainda! Sem baby carrier… Suando! hahaha
Solzinho pegando!

Pamukkale

Este era um dos lugares mais esperado por mim nesta viagem. Mas… falhou! rsrs Para quem nunca ouviu falar, a região é chamada de Pamukkale que significa castelo de algodão pela sua formação rochosa branca proviente do calcário. E as rochas formam piscinas naturais de cor super azul. Maravilhoso nas fotos… da internet. rsrs Infelizmente, a época que estive lá, as piscinas estavam quase todas vazias, estava num período de seca. Mas ainda assim tinham umas poucas, que apesar de ter me deixado decepcionada pois a expectativa era alta, a paisagem continuava muito bonita.

Aqui pude ir de carrinho, mas tive que deixá-lo encostado e continuei a desbravar as piscinas com o Felipe no colo.

Dá pra ver as piscininhas ali no fundo?? Pois é, tudo deveria estar azul, mas a seca não ajudou. Ainda assim, parece algodão de tão branquinho.
Molhando os pezinhos para refrescar!

Culinária

Além de deliciosos e lindos passeios, a Turquia conta com uma culinária muito boa, que em muita coisa se assemelha à siría. Então me senti em casa e comi muito! rsrs

Turkish Rice Pudding

Se estiver por lá, não deixe de experimentar o melhor arroz doce que já comi na vida. Se chama Turkish Rice Pudding. De verdade, queria comer todos os dias. Além disso, os iogurtes naturais nos cafés da manhã eram de matar de delicioso. Os figos, fresquinhos… Comer é comigo mesmo, então fiz a festa!

Também tem o famoso café turco, mas este já não gostei. É extremamente forte e não se coa, é um processo diferente.

Ah, e não esqueça de aproveitar as frutas secas e castanhas do Mercado de Especiarias.

Povo

Para finalizar e não menos importante, vale a pena ressaltar o povo turco!

Povo muito parecido com o brasileiro no quesito simpatia e acolhimento. Aliás, simpatia que ainda aumentava quando tinha um bebê no meio.

Nunca vi povo amar tanto bebês como na Turquia. Todo mundo vinha conversar comigo e brincar com o Felipe. Nos restaurantes, os garçons ficavam distraindo o Felipe para que pudéssemos almoçar ou jantar com tranquilidade. O Felipe até ganhou um olho turco (para proteção) de um senhor enquanto estávamos passeando. Fiquei encantada com tanto carinho que o Felipe recebeu durante todo o tempo que estivemos lá e em todas as cidades, sem exceção. Ponto super positivo da viagem! Que mãe que não gosta de ver seu filho feliz?

 

Bom, este foi um pouco da nossa viagem em família para a Turquia. Poderia escrever muito mais, mas já foi bastante e daqui a pouco vocês estão entediados. A ideia aqui foi relatar um pouco da primeira experiência de férias com bebê.

Daqui a pouco, em um mês, estamos indo para o Brasil e desta vez com 2 bebês! Pensa na loucura, mas lá vamos nós! Coragem!!!

 

Espero que tenham curtido! Se sim, compartilhem, enfim, fiquem a vontade para fazer perguntas, tirar suas dúvidas e anseios! rsrs

Grande beijo e bom resto de fim de semana!

Não perca mais nenhum post!

Assine nosso blog e receba novos posts diretamente em seu email.

2 Replies to “Viajar com bebê para Turquia, é possível?”

  1. Excelente palavras. Bem colocadas e fáceis de entender, parabéns e que continue assim sempre.

    1. Maria Helena says: Responder

      Obrigada Monique!

Deixe uma resposta